Rio de Janeiro

Diálogos

Quase Lá: Por Que Tiana Não é Minha Princesa Favorita?

Por: Winnie Kássimo

09/08/2020


Nenhuma princesa da Disney parecia comigo quando eu era criança. Cresci amando Bela sobre todas as outras porque ela era uma leitora tão voraz quanto eu. Mulan, porque ela salvou a China na porrada e na esperteza e eu não sabia bater nas pessoas, mas esperta eu era. Amava Jasmine também porque minha reação quando alguém me falava em casamento era mandar meu tigre metafórico morder os fundilhos da pessoa, exatamente como ela. Mas a verdade é que nenhuma delas tinha a mais remota semelhança física comigo.

Mas aí, em 2009, quando ninguém esperava, veio A Princesa e o Sapo. Já tinha saído da adolescência, então é claro que o meu amor pelas princesas estava mais forte que nunca (o quê, você acha mesmo que Princesas da Disney são coisa de criança?) e eu acompanhei tudo sobre o filme o mais avidamente que a minha internet baixando rmvb permitia. "Vai se passar em Nova Orleans" saía a notícia e eu, cantora (e leitora de Anne Rice) ficava toda alvoroçada. "A PRINCESA VAI SER PRETA" dizia a notícia e eu quase morri no momento em que li. Em quase 20 anos nessa indústria vital eu nunca havia visto semelhante representatividade! Uma Princesa com P maiúsculo? Pretinha mesmo, do cabelo crespo, IGUAL A MIM? "Mas vai ser princesa, princesa, mesmo?" eu questionava. Kida, princesa de pele escura do filme Atlantis, nunca foi reconhecida como princesa oficial e esse fato jamais saiu da minha mente. Mas era real. Tiana seria a mais nova princesa.

Reprodução. Postado em: https://www.lilianpacce.com.br/moda/princesa-negra-disney-tiana/

E o filme era lindo! Musicalmente, uma graça, Tiana era tão linda! Tudo era lindo no filme: as cores, a vibe dos anos 1920, um elenco negro bem grandinho até, mas ué… Por que será que todos os homens pretos no filme tem alguma… Falha de caráter? Mas não, claro que não! O pai de Tiana não tinha, viu só? Uma pena ele ter morrido, mas né? Ah, que mancada o vilão ser sacerdote de Voodoo e usar isso pro mal, que desrespeito… Por que o dublador de Naveen foi um cara branco, meu Deus do céu? Ah, mas foi um branco brasileiro, pra mostrar que ele é estrangeiro miscigenado, entendeu? Ah não, sério que ela vai passar o filme todo sendo UM SAPO?

Ficou bem óbvio que eu tinha muitas perguntas. Mas era a primeira princesa que eu estava ganhando, não era bom reclamar muito. A hora era de aprender Almost There. Eu estava pronta, de portas abertas, pode entrar Tiana, minha nova princesa favorita.

Tiana não se tornou a minha princesa favorita.

Por algum tempo me questionei se não ter Tiana como favorita fazia de mim uma pessoa alienada. Afinal, ela era mesmo parecida comigo! Era uma boneca de princesa que eu poderia dar de presente a uma criança preta com orgulho! Não sonhava em ser princesa, mas queria o próprio restaurante, trabalhava de sol a sol pelos seus sonhos! Por que isso não satisfazia meu coração? Comecei a ver algumas garotas brancas tendo Tiana como favorita. "Ela é forte. Ela aguenta tudo, ela trabalha desde cedo pelo que é dela. É uma princesa diferente, que não quer ser salva. Se Naveen não tivesse mudado eles não estariam juntos, ela teria o restaurante sozinha!" Legal, mas ela passou o filme quase todo na figura de um sapo, buscando cumprir a jornada de amadurecimento de outra pessoa…

Precisei de algum tempo para entender que a Disney, como sempre, tentou me enganar. A Princesa e o Sapo é um filme lindo, garotas de beleza preta no mundo inteiro se identificam e amam (inclusive eu), garotas brancas no mundo inteiro admiram essa princesa valorosa que vai lá e resolve as coisas sozinha. Mas todos os meus questionamentos acerca daquelas pequenas coisas esquisitas no filme nunca se calaram. E quando se é um adulto assistindo uma animação, certas coisas não se consegue desver.

A força e a gana com que Tiana trabalha o filme todo, sempre mal dormida e descabelada, sempre em posições subservientes a brancos ricos de Nova Orleans para juntar seus potes de dinheiro são quase uma ode à meritocracia. "Estou quase lá" ela diz, enquanto se esgota mais um pouco e os banqueiros brincam com ela, movendo datas mais pra perto para que ela corra mais. "Estou quase lá, porque esse é meu sonho e eu vou fazer SOZINHA". É compreensível que meninas e mulheres brancas olhem e pensem "é isso que eu quero, essa independência", ao passo que meninas negras sabem que essa já é a vida de suas mães, eternamente quase lá, em trabalhos cansativos, mal dormidas e descabeladas. Parte da magia se perde sozinha já daí.

Quanto a passar o filme quase todo como um sapo, não sei a quem a Disney tentou enganar com isso, mas fica muito claro que, como sempre, em qualquer lugar que o corpo preto esteja, ele vai ser o primeiro na fila da desumanização. É aquilo, né? "Já demos uma princesa preta, não precisamos ficar, de fato, vendo a preta na tela. Transforma ela num sapo fofo, meio gosmento". Ao invés de um pássaro ou de um cãozinho, ou de esquilos fofos da floresta, dá um vaga-lume e um jacaré. Um jacaré, assustador? Que nada! É porque ela está no pântano, sabe? Aham, Disney… Eu sei.

Lá pelo meio do filme, a gente até esquece qual é a aparência original de Tiana. E eis que o objetivo é alcançado. Desumanizar para ter a simpatia de todos, porque o rostinho preto não é comercial. É de tal forma que, ao fazer uma participação especial em Detona Ralph com todas as outras princesas, Tiana teve seu nariz afinado e cachos largos no cabelo. O barulho foi grande! O backlash veio pesado! Precisou que Anika Noni Rose, a dubladora original da Princesa, se reunisse com a Disney, para que devolvessem a Tiana seus traços originais.

Hoje, não me sinto mais alienada. Percebo que, nesse jogo, o que a Disney quer mesmo é o meu dinheiro. Para isso vale tudo, inclusive fingir que entende as minhas raízes para afirmar que me representou direitinho. Pior que não colou, Rato. Eu amo muito Tiana e vou defendê-la, mas ela não é a minha princesa favorita.

7 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo